fbpx

Como anda a Gestão do Acervo Extrajudicial em seu Cartório?

Como anda a Gestão do Acervo Extrajudicial em seu Cartório?

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Tenho realizado diversos apontamentos críticos na Gestão do Acervo/Arquivo em minhas visitas realizadas em Cartórios de diversos portes.

Acredito que após a leitura deste pequeno artigo, você possa refletir e analisar os pontos falhos em sua Serventia e já providenciar medidas corretivas para a adequação para a conservação, preservação e restauração de seu Acervo Extrajudicial.

Os Arquivos são repositórios de informação e têm como objetivo central garantir o acesso à informação. Assim, é inerente à função arquivística a manutenção preventiva dos acervos e a orientação para que, em casos de emergência, seja possível garantir a integridade da documentação mantida sob a sua guarda.

De acordo com o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, conservação é a promoção da preservação e da restauração de documentos. Preservação, por sua vez, é a prevenção da deterioração e danos em documentos, por meio de adequado controle ambiental e tratamento físico ou químico, contribuindo para a manutenção da integridade dos materiais. Por fim, restauração é o conjunto de procedimentos para recuperação e reforço de documentos já deteriorados e danificados. É, portanto, a intervenção humana direta que tem por objetivo restituir o aspecto original de um objeto danificado do acervo.

A proteção dos dados e a segurança das informações são determinadas em legislações específicas. A própria ISO9001:2015 determina o requisito 8.5.3 sobre Preservação da Propriedade do Cliente:

  • identificar esta mesma propriedade;
  • Determinar a existência de requisitos do cliente, fornecedor, partes interessadas ou legais aplicáveis;
  • Verificar o seu estado e adequação para o uso pretendido;
  • Assegurar práticas para sua proteção e salvaguardar, para que não se danifique ou deteriore e para que seja usada ou incorporada no fim pretendido.

Quando a propriedade do cliente se danifica, se perde ou é inadequada para utilização, é requerido que a organização comunique a ocorrência ao seu dono e que mantenha registros da ocorrência.

Seguindo o pensamento baseado em risco, é importante que o Cartório determine os riscos e as potenciais consequências que deles podem advir por utilizar ou controlar a propriedade do cliente.

Pode ser importante tomar ações para prevenir ou mitigar esses riscos, como sejam a definição de disposições contratuais que regulem as responsabilidades e deveres entre as partes, a cobertura por seguros de responsabilidade, a definição de processos adequados para o controle e tratamento da propriedade do cliente, entre outros.

Devido a esses pontos críticos e análise de riscos, apresento algumas orientações e sugestões para prevenção e mitigação de danos encontrados nos Arquivos da Serventia:

  1. Separe o tipo de informação contida no arquivo corrente (utilizado para consultas frequentes), arquivo intermediário (fora de tramitação e com prazo determinado para guarda) e arquivo permanente (documentos para guarda definitiva);
  2. Crie uma Tabela de Temporariedade, mantendo documentos de acordo com a legislação aplicável em âmbito federal, estadual e municipal;
  3. Manter todo o acervo documental identificado e inventariado;
  4. Crie um Procedimento Interno de Rotina para a conservação, preservação e restauração do Arquivo no Cartório.

Atenção a orientação para retenção e manuseio dos documentos:

  1. Documentos e Registros de valor permanente devem ser produzidos em papéis alcalinos, as presilhas ou bailarinas sejam de plástico ou metal não oxidável e evite grampear, utilizar fitas adesivas, clipes e colar documentos. Orienta-se também arquivar em pastas suspensas ou em caixas plásticas;
  2. Os documentos em grandes formatos, como mapas, plantas baixas e cartazes, devem ser armazenados horizontalmente ou enrolados sobre tubos confeccionados em cartão alcalino e acondicionados em armários ou gavetas;
  3. Mídias magnéticas, a exemplo de fitas de vídeo, áudio e mídia de computador e armazenados em mobiliário de aço tratado com pintura sintética, de efeito antiestético, para evitar danos;
  4. Os documentos textuais devem ser acondicionados em caixas de arquivo, envelopes ou pastas;
  5. Manter sempre as mãos limpas e nunca umedecer os dedos com saliva ou qualquer outro tipo de líquido para virar as páginas de um processo;
  6. Utilizar luvas, guarda-pós e máscaras para manusear documentos.

A sujeira é o fator que mais afeta os documentos. A sujidade não é inócua e, quando encontra fatores ambientais inadequadas, provoca destruição de todos os suportes num acervo. Portanto a higienização das coleções devem ser um hábito de rotina na manutenção de acervos. Seguem algumas orientações sobre higienização do Acervo:

  1. Utilizar aspirador de pó (comum ou com filtro d’água). Na impossibilidade de usar o aspirador, usar uma vassoura ou rodo com um pano levemente umedecido;
  2. Passar um pano macio levemente embebido numa solução de água e antibacteriano (5 partes de água e 1 parte de antibacteriano);
  3. Evitar o uso da vassoura, pois ela faz com que a poeira se desloque para as estantes e documentos;
  4. Os panos utilizados devem conter o mínimo de água possível;
  5. Evitar o uso de espanador, pois ele faz com que a poeira se desloque para as demais estantes e documentos.

Algumas especificações ambientais importantes:

  1. As paredes externas dos depósitos devem ser espessas para retardar a passagem do calor e os revestimentos internos devem ser de cores claras por sua capacidade de proporcionar isolamento contra calor e umidade;
  2. Recomenda-se pisos com revestimentos laváveis, do tipo industrial ou cerâmico, como forma de prevenir o acúmulo de poeira;
  3. Na cobertura ou telhado dos depósitos, aconselha-se os tratamentos de impermeabilização e isolamento térmico;
  4. O layout de distribuição das estantes deve levar em consideração o projeto de ventilação, iluminação e de extinção de incêndio;
  5. Recomenda-se que o mobiliário seja de aço ou de madeira tratada contra insetos e fogo;
  6. As mesas dos pesquisadores devem ser mais largas do que o usual, tendo em vista a diversidade de formatos e tamanho dos documentos;
  7. Reduzir a incidência direta de luz solar por meio de filtros, persianas ou cortinas;
  8. Reduza a radiação emitida por lâmpadas fluorescentes, aplicando filtros bloqueadores aos tubos ou às luminárias;
  9. Todo o mobiliário metálico deve ser fabricado com chapas de aço carbono fosfatizado, com pintura eletrostática;
  10. Manter a temperatura local em média de 20º C;
  11. Deve contar com um sistema de detecção automática e extintores manuais, à base de água, CO2 (dióxido de carbono) ou pó químico;
  12. Instalar luzes de emergência em todas as instalações do Acervo;

Atenção: As salas equipadas com copiadoras e impressoras eletrostáticas devem ficar isoladas das áreas de arquivo, pois liberam vapores de ozônio, que são prejudiciais aos documentos.

O monitoramento ambiental do Acervo deve ser frequente com vistas a evitar situações incontroláveis, como as infestações por insetos, a contaminação por microrganismos, as contaminações químicas e os efeitos do calor e da umidade e devidamente apontados no PPRA pelo técnico de trabalho.

Algumas regras básicas para monitoramento do Acervo do Cartório:

  1. Evitar a presença de água causada por infiltrações, inundações, baldes com água do serviço de limpeza ou qualquer outra situação semelhante;
  2. Manter as áreas de armazenamento do acervo – depósitos, estantes e invólucros externos – sempre higienizados, livres de poeira;
  3. A limpeza das áreas de armazenamento do acervo deve ser realizada com produtos que evaporem rapidamente, preferencialmente, o álcool etílico a 70%, que auxilia no controle das contaminações por microrganismos;
  4. Manter janelas e portas fechadas nas áreas de armazenamento do acervo;
  5. Evitar circulação de pessoas nas áreas de armazenamento do acervo, bem como a execução de atividades prolongadas nessas áreas;
  6. Evitar as mudanças constantes de documentos, caixas de documentos e estantes de lugar;
  7. Manter fechados ralos e aberturas de paredes e pisos fechados; evitar deixar lixo no ambiente de arquivo no período noturno e levar alimentos para os ambientes que contém documentos para evitar infestação de pragas e insetos. Colocar telas protetoras contra insetos nas janelas situadas em local com muita vegetação. Ainda aqui, é importante realizar dedetização periódica na área com empresa especializada.
  8. Preparar um plano de emergência contendo um programa de manutenção do edifício, um plano de metas concretas e cronograma de prioridades para a eliminação de riscos, um plano de salvamento e segurança humanos e um plano de salvamento de acervos.

Infelizmente a Gestão do Acervo/Arquivo nas Serventias não tem sido priorizada e ainda faltam muitos pontos de controle e monitoramento eficazes para a sua real manutenção e integridade das informações. Negligencia essa ocorrida por falta de conhecimento, falta de conscientização da importância real do Acervo, análise dos riscos, análise adequada do técnico de trabalho ao realizar o PPRA, análise de auditores da Qualidade e da Corregedoria, entre outros.

O Arquivo é uma área “viva” e não “morto”, como as pessoas se referem ao nomear esse área dentro das organizações de modo geral.

Espero que este artigo tenha contribuído para um olhar mais crítico e zeloso para seu Acervo Interno e que você possa incrementar essas dicas de orientações e sugestões na rotina de seu Cartório.

Agora você pode compartilhar as práticas adotadas em seu Cartório e me dizer se você gostou destas dicas. Estou ansiosa para sua contribuição para o meu trabalho.

Thais Ribeiro é Especialista em Gestão e Qualidade. Mestranda, Administradora, Escritora do Livro Boas Práticas de Gestão do PIQMT, Palestrante e Criadora do Programa Inspire Qualidade. Atua há mais de 15 anos com Consultoria Organizacional, Certificação ISO9001, Análise e Desenvolvimento Comportamental. Hipnoterapeuta. Programadora Neurolinguística. Coaching.   Contato: thais@inspirequalidade.com.br

——————

Se você deseja melhorar ainda mais a Gestão e Qualidade em seu cartório, entre em contato com a especialista e verifique os requisitos que poderão ser implantados em sua serventia de acordo com a sua necessidade e porte e implante o Programa Inspire Qualidade.

Desde 2013 venho desenvolvendo a metodologia do PIQ (Programa Inspire Qualidade) para incluir conceitos de boas práticas de Gestão e Qualidade aos Cartórios. Mais de 130 cartórios  tem aplicado esta metodologia, tornando a Gestão de Cartório mais simples, prática e com resultados significativos, inclusive destacando-os em prêmios e certificações na classe.

O PIQ é um método de Incentivo, Treinamento e Educação para a Melhoria da Eficiência da Gestão de Cartório de modo contínuo e sustentado, focado nos requisitos do Modelo de Excelência de Gestão (MEG) da Fundação Nacional da Qualidade. Esse programa adota também outras normas de referências mundiais como a ISO9001, ISO14001, ISO45001, ISO31001, ISO26001, ISO37001, ISO19600 entre outras, pois o objetivo do Programa é tornar o seu cartório uma verdadeira referência mundial.

Como anda a Gestão do Acervo Extrajudicial em seu Cartório?

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

More to explorer

Case de Sucesso Uma Marca Especial

O caso da logomarca do Registro de Imóveis de Feliz Natal/MT A diretriz da Qualidade me faz olhar todos os detalhes que

Rolar para o topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support